domingo, 29 de agosto de 2010

O sentido da História

O HISTORIADOR CRISTÃO:
1- Considera o sobrenatural na história de cada um e da sociedade, que o homem foi chamado ao sobrenatural pela Graça e que não há história puramente humana. Nega que o mundo e a vida são obras do acaso. Sabe que Deus criou e governa o mundo.
2- Reconhece Jesus Cristo como o Filho de Deus que se fez homem para a nossa salvação e que a Igreja foi fundada por Ele, tem sucessão Apostólica na pessoa do Santo Padre e dos Bispos e a assistência do Espírito Santo até o final dos séculos.
3- Vê no Cristianismo a Revelação de Deus, o mais perfeito e coerente conjunto de verdades e valores necessários para a salvação e para no plano terreno a construção de uma sociedade justa e fraterna.
4- Condena as escolas historiográficas fatalistas, materialistas e relativistas, que interpretam a história prescindindo de Deus, do sobrenatural e dos valores cristãos, que negam a civilização cristã, atacando e procurando desmoralizar a Igreja e erradicar a fé das consciências.
5- Considera o pecado original, que o mal existe. E a história, mais que a Luta de Classes proposta por Marx, é a luta do bem contra o mal, dos que procuram servir a Deus e construir a verdadeira civilização (Cidade de Deus), contra os que desconhecendo a Deus colocam o homem como deus, servindo às riquezas, ao prazer e ao poder (Cidade dos Homens).
6- Relata o contrato de Deus com o povo judeu, que guardou a Revelação, as tradições, os princípios morais na esperança do Messias, Jesus Cristo, redentor da humanidade. Por isso sabe que a culminância da História é o Nascimento de Cristo e que a única divisão que realmente faz sentido é esta: a.C (antes de Cristo) e d. C (depois de Cristo).
7- Reconhece e relata os milagres da conversão do Império Romano e dos povos bárbaros, por força da pregação, da santidade, do bom exemplo dos mártires, das respostas satisfatórias que só o Cristianismo dá para as perguntas que o homem sempre se fez (de onde vim? Para onde vou? etc) e que a Igreja, apesar de ter sido tão atacada, pelos inimigos externos e internos (hereges e cismáticos) continuou ao longo dos séculos.
8- Comenta o papel histórico dos grandes santos na história, na conversão dos povos, nas ciências, no progresso técnico, nas Artes e na cultura, na construção da civilização. Por exemplo São Bento, que tanto contribuiu para a construção da civilização Ocidental através de tantos mosteiros espalhados pela Europa; São Tomás de Áquino, mestre da Escolástica, Filosofia que buscou a conciliação perfeita da Fé e da Razão; São Francisco de Assis, São Francisco Xavier, tantos santos reis, rainhas, imperadores e imperatrizes e tantos outros.
9- Analisa a Reforma e o Renascimento, O Iluminismo, a  Revolução Francesa e o Comunismo como as grandes revoluções da história, que tiveram um papel fundamental na descristianização do Ocidente, através da negação do sobrenatural e da Graça, da autoridade da Igreja e até do próprio Deus.
10- Interpreta os acontecimentos iluminados pela Razão e pela Fé, à luz do Evangelho, de acordo com o contexto histórico, levando em consideração a mentalidade da época. Assim identifica a Idade Média como a época de ouro da civilização cristã, onde os princípios cristãos governavam os povos e rebate todas as acusações contra as Cruzadas, Inquisição e em geral contra a Igreja, buscando a verdade dos fatos, nos escritos de historiadores sérios, imparciais. Reconhece as falhas humanas, mas sabe que a Igreja é uma instituição humana e divina, valoriza tudo de bom que a Igreja fez pela civilização.

Professor Faria

Um comentário:

  1. Prof. Faria o blog está ótimo. Era o que faltava para a nossa Adm. Apostólica. Além de termos material de formação e pesquisa, podemos relembrar os velhos tempos no Colégio Três Pastorinhos. Continue com esse trabalho de evangelização e o que depender dos jovens do Grupo Jovem João Paulo II estaremos aí.
    Força e coragem!
    Salve Maria.
    Abraços.

    ResponderExcluir